Thursday, October 29, 2015

o primeiro disco

Lena d'Água 1979 o primeiro disco
1979

face A O nosso livro (Florbela Espanca)

face B Cantiga da babá (Cecília Meireles)

12 comments:

chOURIÇO said...

Ehhhhhhhhh! Nunca ouvi este!

Deve ser giro, com a cantiga da babá e tudo...

Onde é que posso comprar uma reedição?

Hum?

floreca said...

Ó Chouriço, vê-se logo que és puto!!!

Não imaginas o que eu sonhei a ouvir a Lena cantar o "Nosso livro"!

Velhos tempos... eheheh

chOURIÇO said...

E agora apanho na cabeça por não ter um gira-discos nos idos anos setenta...

Floreca, miúda, não sabes do que falas.

lena said...

com o alto patrocínio da *floreca*, tcharam!!!
lol

té mais logo :)

Truta Rodrigues said...

Lindo, lindo, o poema da Cecília Meireles.


Bolas, é mesmo lindo.

Truta Rodrigues said...

Foi em 78 que comecei a ouvir falar de ti, precisamente.

:)

(E depois há também a história dos Olivais, nesse mesmo ano ;)...)

lena said...

ainda trago uma daquelas fotografias lá no pátio da escola!
;D***

Truta Rodrigues said...

:*)

João said...

... também tenho este e faz lembrar aquela nesga de paraíso escondido que há na infância de cada um !...
e depois lembrei-me que tb. ainda tenho outro single que nem mostras aqui... é o "Vigaro cá vigaro lá" ...

lena said...

tenho-o scanado, marca uma fase difícil da minha vida... mas o lado B é das músicas mais fortes que alguma vez gravei na vida

tá marcado, é o próximo a saltar aqui pò blogue
;)*

mas hoje vou postar a cantiga da babá ;D*********

joão ... said...

... quem me dera ter ouvido músicas assim entre os nove meses e os cinco anos, quando os meus pais tiveram que ir viver para o estrangeiro (com 2 irmãos mais velhos) e fiquei na quinta dos avós a brincar num monte de areia que havia num canto da eira ( o que vale é que tinha uma madrinha que era mesmo fada-madrinha e que me ia buscar de vez em quando pra brincar com os primos ) ... mais tarde lembro que o que mais gostava de fazer era andar quilómetros de bicicleta por um carreiro tipo montanha russa que seguia sempre ao lado da linha de comboio Porto Lisboa. Pedalava para tentar acompanhar o comboio e imaginava que um dia também havia de apanhar aquele comboio e descobrir os infindos mundos que então apenas intuía ...
... mas também se não tivesse sido assim de certeza que não teria sentido o que senti quando ouvi a música da Babá pela primeira vez ...
depois habituei-me a pensar sempre que há males que vem por bem, e a vida compensou-me largamente de todos os vazios porque passei ... =8) :) :D
b'jinhos ...

lena said...

bjinhos :)