Monday, October 06, 2014

Demagogia 1982

perto de ti, 1982



letra: lena d'água e luís pedro fonseca; música: carlos fortuna e luís pedro fonseca,
álbum "perto de ti", 1982, realização de João Egreja

dei por mim a dançar na praia
subi à noite com a maré
fui nas ondas da minha saia
fiquei contigo fora de pé
perto de ti é onde eu quero estar

dei comigo a rolar na areia
o corpo nu vesti de luar
na vertigem da lua cheia
segui viagem p'ra te encontrar
perto de ti é onde eu quero estar

tal como um rio sou água a correr
sobre o teu peito, tão fora de mim
na madrugada o incenso a arder
deixa na pele um cheiro a jasmim
fico perdida de amor

perto de ti é onde eu quero estar
ao pé de ti sinto-me flutuar
perto de ti é onde eu quero estar
ao pé de ti sinto-me transbordar

dei por mim a dançar na praia
fui nas ondas da minha saia
perto de ti é onde eu quero estar

Tuesday, September 02, 2014

Sunday, August 31, 2014

É ao mar que eu pertenço

SOM


Sei que pertenço ao céu azul

Sei que pertenço ao sol e ao sul
Estou na preguiça que produz
Figos maduros, vinho e luz

Olho este e mundo e no olhar
Sei que pertenço à cor do mar

Tenho palmeiras sob a pele
Lume no peito, noite e mel
Rasgo o silêncio à beira cais
Pronta a partir na paz dos corais

Olho este mundo e no olhar
Sei que pertenço à cor do mar
Cor, a que for do mar

Sei que pertenço à pedra cal
Verde segredo, peixe essencial
Estou no mistério do rumor
Do corpo a arder na guerra do amor

 

José Fanha / Luís Pedro Fonseca

In Lusitânia, Lena d’Água 1984

Sempre que o amor me quiser - 1984 - Lusitânia

SOM
Sempre que o amor me quiser
Basta fazer-me um sinal
Soprado na brisa do mar
Ou num raio de sol

Sempre que o amor me quiser
Sei que não vou dizer não
Resta-me ir para onde ele for
E esquecer-me de mim
E esquecer-me de mim

Como uma chama que se esquece
Numa fogueira que arde de paixão

Sempre que o amor me quiser
Sei que a razão vai perder
Que me hei de entregar outra vez
Como a primeira vez

Sempre que o amor me quiser
Vou-me banhar nessa luz
Sentir a corrente passar
E esquecer-me de mim
E esquecer-me de mim

Como uma chama que se esquece
Numa fogueira que arde de paixão
Sempre que o amor me quiser

(Luís Pedro Fonseca)