Monday, January 03, 2005

Genesis, Cascais 1975

"Fui no dia em que houve tiros lá fora. Estava tanta tanta gente que ficou impossível. Um pé em cima de uma cadeira e agarrada a uma grade para conseguir espreitar o palco de vez em quando, e a cadeira estava a ser usada por três! Fui com o viola baixo e o guitarra solo da minha futura primeira banda, os Beatnicks. Fomos de comboio. Quando chegámos ao pavilhão as filas de espera davam a volta ao quarteirão. Mais valia ir dar uma volta e voltar daí um bocado. Passámos por uma das entradas e perguntámos ao segurança quanto tempo seria previsto demorar, e o rapaz responde: "A senhora está à espera de bebé, pode entrar já.". Eu ainda não estava grávida, mas nós claro agradecemos e entrámos.
O concerto em si foi um espectáculo de luzes e de som, o Peter Gabriel maravilhoso, a voz, a expressão corporal, o que ele fazia no palco... desaparecia de um lado, aparecia do outro... Lembro-me de um túnel por onde ele entrava... Era tudo mais que fantástico para nós. O que tínhamos por cá era um único canal de televisão a preto e branco e os festivais de jazz de Cascais, sem efeitos especiais. E a gente não faltava. Não éramos do jazz, mas era a maneira de vermos os melhores músicos do mundo a tocar."

14 comments:

chOURIÇO said...

Pronto, confesso, não fui.

:(

Mas era um bocadinho difícil ir. Tinha dois anos de idade. :)

Mas, pelas descrições e tirando a parte das confusões, parece ter sido bombástico.

A Deprimida said...

Ainda me lembro da Salada de Frutas era fã e continuo a ser.**

Anonymous said...

http://genesiscascais75.blogspot.com/

Para saber mais sobre o evento.

Saiu recentemente um dvd com esse espectaculo.

lena said...

obrigada, anónimo, vou espreitar
:)

joão said...

... tb. fui e concordo com tudo o que disseste. A encenação foi mesmo espectacular ... só à saída dei conta que havia seis ou sete degraus, à entrada ia tão apertado entre a multidão que acho que passei por cima !...
mas gostei mais ainda do ambiente no exterior do pavilhão do que do próprio concerto ... foi quando me apaixonei por Lisboa (um provinciano de Coimbra com apenas 17 anos)... o jardim de Cascais, as luzes multicolores que quase falavam, o café da carruagem, a praia nocturna e o mar sem fim ... a juventude em multidão que comemorava a liberdade do país precisamente ao mesmo tempo que a liberdade das suas próprias vidas ... o amor que pairava no ar, que brotava por todo o lado, sereno e ao mesmo tempo efusivo ... inesquecível !! ...

Anonymous said...

... só pra dizer que passou por aqui o cabeça de vento ... cabeça no ar ... cabeça na lua ... e pés no chão na areia e na lama (três longos anos na areia movediça) ora no alcatrão ora em terra batida ora na neve ora na espuma das ondas ...

lena said...

:)


joão e anónimo, acho que fazemos parte de uma família
**

joão said...

... se ser uma família significa construir uma memória, criar laços afectivos, ter uma história e um passado comuns e passar o testemunho aos que irão viver o nosso sonho ... concerteza que sim !!!

lena said...

para memória futura
:)

joão... said...

... e vivência presente. Afinal de contas tivemos a sorte de viver uma das épocas mais bonitas na história das civilizações, os anos setenta … (músicos com a criatividade dos Pink Floyd, Beatles, Genesis, etc, etc, etc, acho que foram e vão ser sempre irrepetíveis e a “Revolução das Flores” tb. deve ter tido um impacto na sociedade maior que o próprio Renascimento de 1500 … ) … e depois “ver” a tua memória é viver e Reviver (viver duas vezes) os anos 70, 80, 90, e pelos vistos tb. o 3º milénio (e a era da tecnologia) … como se fosse um rasto de estrelinhas acesas que foste deixando pelo caminho sem te dares conta …

e já pensaste que a geração que tem agora 20 só pode optar por ter 20, 15 ou 10 enquanto que a geração dos 40 pode optar por ter 40, 30, 20 ou 10 … é só ir à caixinha mágica das recordações e reassumir o que fomos antes ( mesmo que seja contra ventos e marés !!) …

… e Escrever é mais que viver, é viver, Reviver e dar vida !

lena said...

tá bem, eu não páro :)

joão said...

era isso mesmo que queria ouvir! :D assim já posso dormir um bocadinho mais descansado (eh eh)!
já agora (e por falar em música de qualidade) gostava que desses uma espreitadela a um site de uma cantora brasileira que conheci por acaso através do Msn messenger e que me pediu alguns contactos cá em Portugal (dá pra ouvir 8 músicas e 2 videos e nos links excertos de 30 segundos)... só arranjei os contactos do Teatro Gil Vicente, Assoc.académica, intercâmbio cultural luso brasileiro da Universidade de Coimbra e do Instituto Camões e não sei mais ...se tiveres alguma idéia ... o site é www.anacristina.com.br
Tb. era giro se conseguisses fazer um site com os tais 30 segundos das melhores músicas só pra fazer crescer Água na boca ... uma das coisas que sempre me irritou nas rádios portuguesas é que passavam dezenas de vezes os teus e outros êxitos mas depois quase ninguém conhecia as restantes músicas do álbum, quantas vezes mais bonitas até que a música de divulgação ...

O Vizinho said...

Lena, achei especialmente graça ao facto de teres escolhido "Laura" para nick, o nome da minha filha bébé.

Concordo com o que alguém disse acerca dos exitos "comerciais" dos teus discos que não raras vezes ofuscaram temas de muito superior qualidade.

Apesar de tudo a minha canção preferida sempre foi aquela que começa assim "Chegavam de toda a parte, sem dinheiro nem bagagem..."

lena said...

woodstock, cantada pelo luís pedro


e no fim uns coros à la crosby stills nash and young
;)